INSPIRAÇÃO

SRF-02-300x97

 

                 

                      Desenvolvendo um Coração Compreensivo

                                                                                                    (por Sri Daya Mata, SR Magazine, Verão, 1990)

 

O individuo que é sincero no seu crescimento espiritual, esforça-se por conservar sua mente sempre limpa e disciplinada, de forma que em qualquer circunstância ele possa expressar a divina qualidade da compreensão. Gurudeva Paramahansa Yogananda deu uma bonita definição desse atributo:

 


                                                         “A compreensão é sua visão interior, a faculdade
                                                              intuitiva através da qual você pode claramente
                                                                perceber a verdade – sobre você mesmo e os
                                                            outros, e em todas as situações que surgem em
                                                                    seu caminho – e ajustar corretamente suas
                                                                   atitudes e ações em conformidade com ela”.

 


Guruji costumava dizer-nos, “Entenda o que eu quero dizer quando eu digo alguma coisa para você. Quando você se esforça demais, você não consegue captar meu pensamento.Seus pensamentos racionalizados vão-se por água abaixo. Permaneça calmo e assim você estará em harmonia com o que eu estou dizendo a você, então você entenderá”.

 


Ele estava nos ensinando a ouvir com os ouvidos da compreensão intuitiva. “Com todo seu entendimento, tente compreender”, a Bíblia nos diz isto (Provérbios, 4:7). Quantos de nós realmente recebemos isso de coração e tentamos praticar? Geralmente, sempre que nós encontramos alguém ou alguma coisa que é diferente do que nós estamos acostumados, nossos pensamentos preconceituosos são imediatamente despertos e nós criamos obstruções mentais. Nós não fazemos um esforço para entender, nos agarramos cegamente a nossas próprias opiniões, não importando quão imprevidentes elas possam ser. Esta é uma das maiores falhas em todas as culturas, e a razão de tanto equívoco e conflito no mundo. Na escola nos ensinaram assuntos intelectuais, mas quem ensinou a arte de entender os outros? Cada cultura acha seus métodos os melhores, e nós não aprendemos a ver além do horizonte de nossas próprias idiossincrasias e maneira costumeira de fazer as coisas.

 

O Mestre tinha uma forma singular de expressar isso: “Nesse mundo nós somos todos um pouco loucos, mas nós não sabemos disso. As pessoas não veem suas próprias loucuras porque elas se misturam com aqueles que são similarmente loucos. É só quando as pessoas que são diferentemente loucas vivem juntas e tentam entender cada um a outra loucura, que elas têm uma chance de conhecer suas próprias loucuras”.

 


Você percebe o ponto de vista dele? Conserve sempre sua mente aberta. Quando alguém disser alguma coisa que é estranha para sua própria personalidade ou a maneira de pensar, não seja “mente-fechada” ou permita que seus preconceitos influenciem sua compreensão. Ouça calmamente, disposta e respeitosamente. Dessa maneira você poderá aprender alguma coisa valiosa de outros cuja opinião e conhecimento são diferentes dos seus.

 

 

                         Emoções e Mau Humor são Inimigos da Compreensão

 

Emoções e mau humor são inimigos viciosos da compreensão. Eles obscurecem nossa percepção. E então nós não podemos ver as circunstâncias corretamente. Muitas pessoas seguem através da vida tão escravizadas por suas reações mentais
descontroladas que no momento que qualquer coisa se choca com o que elas estão
sentindo ou pensando, elas ficam irritadas ou descontroladas obliterando alguma chance de entendimento.

 


O Mestre era muito, muito intolerante aos humores. Ele insistia que nos empenhássemos para conquistá-los. Ele explicava que humores são manifestações de maus hábitos que nós trazemos de encarnações passadas. Por isto eles são tão automáticos, porque nossa índole explode ou nós ficamos de mau humor aparentemente sem nenhuma razão exterior – talvez por algum incidente trivial ou alguma coisinha que nos dizem. Estes hábitos de conduta e pensamento errado têm estado tão profundamente enraizados ao longo da existência, que no instante em que eles encontram resistência, a emoção irracional toma posse da mente.

 


Tão logo nós permitimos ser vitimados por esses estados negativos de consciência, torna-se impossível desenvolver compreensão – e é impossível conhecer Deus. Não alimente seus humores. Não os carregue escravizados a você. Resista a eles! Liberte-se deles imediatamente porque eles bloqueiam seu progresso – não apenas no caminho espiritual, mas em tudo na vida.

 


Isso não quer dizer repressão de nossos sentimentos. Repressão é doentio – física, mental e espiritualmente. O indivíduo que refreia suas emoções dentro dele mesmo é como um bule de água fervendo que está firmemente fechado. Assim que a água ferve, ele forma mais e mais pressão, até que eventualmente a tampa é violentamente expulsa.Do mesmo modo, tentando sufocar nossas emoções, nós podemos ser capazes de manter temporariamente a ilusão de tranquilidade, mas cedo ou tarde esses sentimentos escaparão por eles mesmos. Entretanto, a agitação interna deles rompe não somente nossa paz e bem-estar, mas também nossa compreensão. O Mestre nos dizia para controlarmos nossas emoções, não reprimi-las.

 

O caminho para realizar isto é parar antes de reagir e fazer alguma reflexão. Na próxima vez que você estiver tentado a atingir ou falar severamente a alguém que tenha antagonizado você, pare por um minuto e pergunte a si mesmo: “Vale a pena? Quem eu estou descontrolando? A mim mesmo, antes de tudo. Deixe-me ouvir calmamente o que a outra pessoa tem a dizer, e de modo justo analisar isto, antes que eu feche o portão da compreensão. Por que eu não deveria dar o devido respeito à opinião daquela pessoa? Meus pontos de vista não são sempre infalíveis! Talvez haja algo que eu possa aprender com ela”.

 


                   Aprenda a Ver a Lição Divina em Tudo que Acontece a Você

 


À medida que nossa compreensão se desenvolve, nós vemos que há uma divina razão para tudo que acontece conosco. Nada neste mundo ocorre por acidente. Tudo o que acontece é governado pela lei universal e esta lei opera com perfeita justiça. Não importa que cruzes particulares você tenha que carregar, tente sempre entender a lição espiritual inerente a essas experiências. Nunca sinta que as circunstâncias externas são a causa de suas dificuldades ou que outros estão tentando fazer você passar por isto. Aqueles que estão constantemente culpando os outros por seus problemas – seus esposos, seus chefes, sua educação infantil, alguém ou alguma coisa por seus próprios pensamentos e conduta – desenvolve problemas emocionais profundos.

 

Perceba que é somente com Deus que temos de nos relacionar. É com Ele que nos relacionamos em cada momento, com ninguém mais, em nossa conversa, em nossas ações, e acima de tudo em nossos pensamentos. Quando esta verdade torna-se bem estabelecida em nossas consciências, é muito mais fácil para nós reagirmos adequadamente quando algum incidente desagradável ocorre. Então nós não desperdiçamos tanto tempo nos defendendo, nós percebemos quanto mais proveitoso é gastar aquele tempo cultivando interiormente nosso relacionamento com Deus, e então Ele nos defenderá, se necessário.Ele está olhando por nós, eu não tenho dúvida de que seja assim.

 

O Divino está sempre lá. Não é que subitamente Ele surja de algum ponto fora no espaço e seja puxado para perto de nós. Ele está sempre conosco, mas nós não sabemos disso porque nossas mentes não estão com Ele. Nós permitimos que o mau humor, conflitos emocionais, sentimentos supersensíveis, raivas e o equívoco que advém deles, desmanchem e escureçam nossa percepção, então nós continuamos a não perceber Sua presença.

 

Treine a você mesmo para não perder o controle. No momento que você perde o controle seu contato com o Divino se esvai. Às vezes é muito difícil recuperar aquela tranquilidade interior até que você possa novamente recuperar o fio da meada de sua comunhão com o Divino.

 

Palavras ignóbeis e sarcasmos não têm vez na vida espiritual. Manifestação de mau temperamento não tem lugar na conduta de alguém que está buscando Deus. Também não devemos nos tornar “capachos”. Antes, devemos aprender a falar com a voz da razão e entendimento. Firmeza, sim! Eu não estou sugerindo que nos tornemos como que omissos em tudo. O que estou dizendo é que nós devemos aprender a pensar antes de falar.Isso é o que Guruji nos persuadia a fazer.

 

A diferença entre ser temperamental e ser firme é esta: quando nós perdemos com nosso temperamento, nós ficamos fora de controle. Quando nós estamos cientes de que nós estamos falando a verdade, então nós podemos ser tão firmes que o mundo inteiro não será capaz de mudar nossa opinião, mas nós nunca perdemos nossa paciência, autocontrole ou respeito pelos demais.

 

À medida que crescemos em compreensão, nós chegamos ao ponto onde, em todas as circunstâncias, nosso interesse é “qual é a verdade”? Sabedoria maravilhosa e emocionantes realizações de Deus caem sobre a alma quando nós vivemos nesta consciência! O desenvolvimento dessa compreensão tão luminosa começa quando nós colocamos de lado humores, preconceitos, gostos e desgostos, os quais distorcem nossa visão da realidade. Mostrem-me um homem de Deus e eu lhes mostrarei um homem de grande compreensão.

 

 

                 Calma Profunda Ajuda-nos a Tomar Decisões Corretas

 

Guruji disse certa vez: “Neste mundo nossa compreensão é frequentemente míope. Quando nossa visão mental é prejudicada desta maneira, é impossível ver como será o futuro. Estando cegos para os resultados de nossas ações, nós frequentemente fazemos a coisa errada”. Quando nós alcançamos a profunda calma divina é possível ver o futuro,o qual é formulado pelo principio de causa e efeito. Muita coisa que está acontecendo no mundo hoje o Mestre predisse 40 ou 50 anos atrás. Ele tinha aquela limpidez de percepção que é o resultado da completa harmonia da mente. Como um espelho divino, a mente que é espiritualmente calma capta um perfeito reflexo da Realidade. Em tal espelho nós podemos ver claramente qualquer situação e perceber aonde o rumo alternativo nos conduziria, portanto aquele que nós podemos eleger para seguir.

 

A calma interior necessária para aquele entendimento intuitivo vem somente através da diária e profunda meditação. Nunca arranje desculpas para negligenciar sua prática de meditação. Quando um devoto abandona o hábito de meditar, eu fico muito triste, porque este é o começo do desentendimento do qual seus erros proliferam.

 

 

                        Faça da Verdade um Componente de sua Vida Diária

 

“Com toda sua capacidade de entender, seja compreensivo”. Você deveria escrever isto num pedaço de papel e colocar em sua escrivaninha ou algum outro lugar onde você o veja frequentemente durante o dia. Toda vez que você for tentado a ficar zangado ou dizer alguma coisa indelicada ou induzido pelo mau humor, lembre a si mesmo: “Com toda sua capacidade de entender, seja compreensivo”.

 

Sempre que eu lia uma passagem inspirativa de alguma escritura, ou quando o Mestre nos dava orientação, eu não apenas a memorizava, eu fazia disso um componente de meu sadhana diário. Não importa quão inspirados nós podemos ficar por uma verdade espiritual, isso tem pouca importância a menos que nós a coloquemos em prática. Não se torne uma daquelas pessoas que têm manias antiquadas e que dizem: “Foi uma palestra maravilhosa a que Daya Ma deu. Os ensinamentos do Mestre são maravilhosos!”, mas rapidamente eles se voltam para seus velhos hábitos.

 

Cristo descreveu como algumas sementes dispersas podem cair em terreno rochoso ou barroso, outras são semeadas onde ervas daninhas sufocarão as pequenas plantas que germinam, mas aquelas que vão crescer e produzir frutos são as que estão plantadas em solo fértil. O solo de suas consciências precisa ser fértil – limpo de dúvidas, mau humor e indiferença – somente assim as sementes da Verdade poderão criar raízes e florescer em sua própria realização.

 

Guruji costumava dizer-nos muito candidamente o que nós precisávamos fazer para corrigir a nós mesmos e crescer em consciência de Deus. Ele era sempre muito sincero e direto, e esta é a maneira que eu tento falar com todos vocês. Eu quero preservar no papel ou em um gravador todos os ideais que o Mestre empregou à frente de seus discípulos, por ser este o prático e compreensivo costume dos sublimes princípios que conservarão seus ensinamentos puros para as incontáveis gerações de seguidores da Verdade.

 

 

                                     O Amor Incondicional de Deus e do Guru

 

 

Quando eu olho para trás, para aqueles anos com o Guruji, eu vejo quão abençoados nós fomos. Poucas pessoas neste mundo têm alguém que elas sabem que sempre as entenderão. Para nós, o Mestre foi esse alguém. Nós sabíamos de seu incondicional amor por nós. Sim, ele podia ficar furioso quando não estava satisfeito com a maneira como nos comportávamos, mas não importa como nós tínhamos errado, não importa que disciplina ele desse, nele nós tínhamos alguém que nunca nos abandonava.

 

Aquele espírito de divina amizade e compreensão deve ser cultivado dentre todos os membros de nossa grande família espiritual – entre esposa e marido, pais e filhos, amigos, residentes dos ashrams. Eu sinto aquele vínculo com muitos de vocês. Quando nós somos leais aos ideais do Guruji, nós temos absoluta fé neles e damos conforto uns aos outros. Este é o fruto de um coração compreensivo. Quando nós tivermos conseguido esse fruto com aqueles de mente semelhantes, então nós teremos uma abundância que nós podemos compartilhar com todos.

 

Isso requer esforço, meus queridos, tamanha unidade não vem automaticamente. Quando o procedimento dos outros causar desarmonia, tente ser um pacificador. Seja amável sob todos os pontos de vista. Isso nos torna mais compreensivos da natureza humana. Tornamo-nos mais generosos, mais compassivos. É parte da imagem de Deus se revelando em nós.

 

Não desejamos essas qualidades do Divino? Eu certamente, sim. Nós esperamos Alguém que nos ame acima de todas nossas falhas, Alguém que nos entende quando até mesmo nós não nos entendemos, Alguém que é constante em lealdade e sempre vem ao nosso auxílio, Alguém que é uma fonte inesgotável de poder, a qual nós podemos evocar. Nós todos somos feitos à imagem desse Divino, nós temos uma responsabilidade para com Ele – tentar refletir para cada um Seu amor e compreensão.